Como vencer o desanimo e a Procrastinação

Apreenda a identificar e lidar com essas situações

Porque Deixamos de fazer algo?

Quantas vezes nos preparamos para um dia cheio

E acabamos por não fazer nada daquilo que planejamos?

Quando precisamos ou dependemos de realizar alguma atividade

E simplesmente deixamos para um momento seguinte?


Acredito que todos já passamos por situações semelhantes. De desfoco, de deixar de lado algo, de procrastinar até o último momento.


Em ambos os contextos, de desanimo

e procrastinação, existe uma perda de força de vontade .Que nos leva a agir de uma forma a qual desmotiva qualquer ação. E também, muitas vezes que simplesmente evitamos ao máximo realizar determinada tarefa. Não importa o prazo ou o quão importante seja este compromisso.

Desanimo

Se puder será adiado.


Nesse sentido que se dá a procrastinação, o desanimo para com seus objetivos. Uma força surpreendente que aprece criar barreiras e bloqueios interiores, impedindo qualquer tipo de movimento.

E o pior de tudo.

Nos fazendo sentir mal com nós mesmos.



Porque nos sentimos assim?


Mas porque então fazemos isso?


Se desejamos ou precisamos fazer algo, não há sentindo em não faze-lo, não é mesmo?


Mas então de onde vem todo esse movimento que nos impede?

Em ambos os casos, de procrastinação e desanimo, ocorre uma mistura de sentimentos e pensamentos de origem externa e interna. Tanto o nosso estado atual quanto o ambiente no qual pertencemos influenciam completamente nossa capacidade de agir e de se motivar.


Seja por mim, que tenho determinadas coisas a fazer, a cumprir, que desejo, ou que gostaria de realizar. Ou pelo meio em que vivo, que cobra ou que me coloca em determinada situação.


Vamos agora entender um pouco mais de cada processo.



Porque procrastinamos?

A procrastinação tem como significado deixar para amanhã, para depois, adiar algo.


O simples fato de deixarmos de lado uma vontade ou uma obrigação para fazer depois pode ser considerado como. É evitar uma coisa ao máximo, até o último instante que seja possível faze-lo.


E onde normalmente aparecem as consequências.


Normalmente a procrastinação está vinculada a tarefas que temos de fazer. Claro que se fosse algo p

razeroso ou divertido ela não ocorreria. Portanto, está relacionada com algo de caráter que não há uma vontade natural de se fazer. Mas como sendo um movimento necessário.


Dessa forma já encontramos o primeiro ponto a ser observado: A obrigação


Ser forçado ou obrigado a fazer alguma coisa nunca traz uma sensação de prazer naquilo. Mesmo quando isso é alguma coisa que colocamos para nós mesmos.


Procrastinação

Uma meta, um objetivo uma mudança, qualquer cosia que possa gerar uma cobrança pessoal já se torna desagradável.

Nesse sentido, existe uma tendência natural a evitar este tipo de situação.


A preguiça também tem um importante papel neste ponto. Dentro do que mencionamos de ser algo imposto e não prazeroso. A vontade de não fazer irá tomar proporções imensas. O mais comum é arrumar desculpas e justificativas para evitar a realização.


E por último, as distrações. Sendo algo que não nos dará prazer em realizar, que é uma obrigação, é claro que irei preferir uma atividade que me dê prazer. É trocar a tarefa pelo celular, o trabalho pela tv, o despertar pelos cinco minutos a mais da soneca do despertador.


Todas essas e outras ações contribuem para o procrastinar.

Parece que procuramos algo, qualquer coisa, para nos distrair daquele evento, fugindo mais uma vez.


Porque nos sentimos desanimados com certas obrigações?


Como mencionei no tópico anterior, o próprio caráter de obrigatoriedade do objetivo em si, imposto por meio externo ou pelo seu próprio interior, já causa uma perda da vontade de realizar tal ação.


Além do evitar fazer, do procrastinar, é possível também nos sentirmos desmotivados com determinados movimentos em nossa vida. Deixamos de fazer algo por não ver finalidade.


Por não valer a pena. Por um medo ou certeza de fracasso.

O desanimo é algo muito mais preocupante, pois se refere normalmente a atividades que são colocadas por nós mesmos.

Depressão

Metas e objetivos por exemplo. Pois quando se refere a algo externo, como por exemplo contas a se pagar ou algo em seu trabalho, existe uma cobrança ou consequência final que de alguma forma irá criar uma necessidade para que você se adiante ou se mova.


No caso da atividade pessoal não. Em casos de alcançar um objetivo para si

mesmo, o desanimo aparece em maior frequência. Por esta desmotivação, que sim pode vir também do meio externo é extinguido o movimento.


Por um fracasso pessoal, uma perda de momento, um medo ou insegurança, deixa de fazer aquilo que precisa ou acredita que será melhor para você. Por uma cobrança externa, por um medo olhar do outro, perde-se as esperanças de sucesso.


O desanimo é algo que inibe o movimento.


A busca e o caminho para se atingir determinado objeto ou cumprir uma tarefa. Podendo refletir o estado psicológico da pessoa.

Deve-se observar bem o quanto isto influencia os outros comportamentos do dia-a-dia, pois está diretamente relacionada com a depressão.


Porque isto é tão prejudicial?


Já ficou claro pelo que falei aqui, e também, imagino, pelo que cada um de vocês passou e viveu dentro destas situações, que a principal consequência dentro destas duas situações é o não agir, o adiar, o deixar para lá, o deixar de lado.


O próprio peso e o resultado desta não ação.


Algumas tem um efeito real, no sentido material. Se não pagarmos uma conta, termos que arcar com juros e multas. Se não estudarmos, seremos reprovados. Caso deixemos para amanhã o nosso trabalho, perderemos nossa renda.

E também, no sentido pessoal. Cada vez mais ficamos inertes dentro de nossa própria negação. A falta de movimento resulta em uma perda de vontade, que primeiramente aparece nesta tarefa ou objetivo, mas que se alastra a outros meios de nossa vida.


Deixamos de ser espontâneos, verdadeiros, e de fazer aquilo que queremos.


Como posso evitar isso?


A melhor forma é desenvolver sua força de vontade. Assim, independente do momento ou situação, você terá a capacidade de realizar qualquer ação ou movimento sem adiar ou desistir, simplesmente porque você tem decretado a si mesmo que é aquilo que deve ser feito.

Vida nova